11 de agosto de 2009

Processo enzimático na reciclagem de papel - uma alternativa inteligente


Biotecnologia tira tinta de papéis velhos para reciclagem

Redação do Site Inovação Tecnológica - 02/09/2008

Reciclar papéis em escala industrial não é uma tarefa tão simples quanto alguns programas educativos ingenuamente deixam transparecer. Para que os papéis reciclados possam competir de igual para igual com o material novo há um grande desafio a ser vencido: retirar a tinta de impressão dos papéis velhos.

O processo atualmente disponível para retirar essa tinta envolve o uso de grandes quantidades de produtos químicos que, além de serem caros, são altamente danosos ao meio ambiente, um fator que pode simplesmente anular os ganhos com a própria reciclagem.

Tratamento enzimático

Mas os dois problemas podem estar com seus dias contados. Cientistas da Universidade da Malásia descobriram que um processo biológico poderá baratear o processo de retirada da tinta dos papéis velhos, incentivando a reciclagem, e minimizar o impacto ambiental dessa reciclagem.

A tecnologia ambientalmente correta se baseia no uso de enzimas, que são moléculas biológicas. O tratamento enzimático é mais eficiente do que o processo químico, retirando uma maior quantidade de tinta do papel usado, e não afeta as propriedades físicas do papel.

As enzimas foram preparadas com a produção do Bacillus licheniformis BL- P7 em um meio de cultura líquido contendo palha de arroz e restos de fécula.

O processo de retirada da tinta das fibras do papel é facilitado pela modificação enzimática das superfícies das fibras. Isso permite também a retirada de grandes partículas de tinta, que normalmente não são atingidas pelo tratamento químico.



Resultados e Discussão:

Dei uma pesquisada por aí sobre esse método que sinceramente nunca tinha ouvido falar, e achei importante divulgar um tecnologia, mesmo que ela já venha sendo utilizada na industria de reciclagem a algum tempo.

As vantagens da processo de retirada da tinta por processos enzimáticos não se restringe unicamente à uma maior eficiência e menor impacto ambiental, podemos citar também uma redução nos custos, nos gastos energéticos e algumas vantagens operacionais, já que o processo agride muito menos os equipamentos.

Pessoalmente gosto muito da aparência de um papel reciclado, mas é inegável que seu uso é restrito a algumas atividades que demandam uma aparência mais rústica e artística, uma melhora de qualidade do mesmo com certeza o tornaria mais competitivo, mas sempre se aliando a um preço mais acessível também obviamente.

Pelo que pude perceber existem várias enzimas atualmente no mercado, e todas possuem eficiência diferentes no que se trata á vários aspectos do papel, já que as enzimas que fazem tal trabalho são Celulases (degradam celulose, material do qual o papel é feito) ou semelhantes, o papel reciclado pode apresentar uma perda de sua integridade e rigidez devido a perda de qualidade de suas fibras.

Ao que me parece, as industrias têm buscado novas enzimas, ou misturas das mesmas afim de otimizar o processo, e isso logicamente, tem incentivado muito a pesquisa neste campo.

PS: Leiam o post do Átila (@oatila) no blog Rainha Vermelha sobre o jornalismo científico e depois testem a mesma coisa sobre este assunto. Digitem qualquer parte da matéria no Google e verão a quantidade de matérias que simplesmente traduziram o release (inclusive esta que postei aqui).

Leia mais em:

Preliminary studies of enzymatic deinking

EDT - Enzymatic Deinking Technologies

10 comentários:

Hugo Magalhães disse...

Acho muito importante matérias desse porte onde percebo que as pesquisas nesse sentido favorecem tanto o meio ambiente,como também, incentivam as empresas a investirem nesses recursos, já que tem custos mais baixos. É importante que as empresas possam utilizar e valorizar os papéis reciclados, como, por exemplo,alguns Bancos que já utilizam somente papéis reciclados até nos talões de cheque. Incentivo isso na empresa onde trabalho, comprando papéis reciclados, porém é relevante o que descreveu sobre alguns não terem tanta qualidade ainda. Espero que muitas empresas continuem tendo "consciência" e possam aderir cada vez mais a esses recursos.
Parabéns mais uma vez por esse post,pois eu não tinha conhecimento sobre essa realidade.

Lombardi* disse...

legal é bom ter acesso a esse tipo de informação

Pobre esponja disse...

Eis uma boa vertente da evolução desenfreada: o de se potencializar as possibilidades de reciclagem - como se uma mão lavasse a outra...

abç
Pobre Esponja

Nando! disse...

Caraca! Gostei mto do blog! Tb estou cursando Ciências Biológicas,Sou da Federal de Pernambuco^^!E eu achei muito interessante o uso de enzimas para retirada das tinturas dos papéis!!! PARABÉNS PELO BLOG!

Abacate disse...

Cara, QUE legal seu blog! finalmente alguém falando em consciência ecológica e biologia sem ser chato. Achei mto interessante a reciclagem por enzimas. Quem dera fosse possível achar uma solução que reciclasse o papel e o restaurasse à sua cor original, haha. Até!

Fodaman disse...

Hehe, é isso aí! Por Optimus, nunca pensei q fosse achar um blog com um assunto sério sem ser xato.

Por que você vai ao encontro do mais forte!

Fabricio Hans disse...

de fato processo importante que deve ganhar atenção.

Reciclagem ainda está escassa, mas taí uma prova de que pode-se melhorar o processo e ser fundamental nas próximas gerações.

Abraço.
conheça meu blog tbm!

Thabata disse...

Congratulations.... vc como sempre demonstrando - seja pelo blog ou em conversas ctg... o quão importante e quão consciente vc é perante o papel do homemXnaturezaXmundo... e é bom mostrar esse lado, às vezes obscuro e mal interpretado por leigos... PROSSIGA... torcendo por aqui... e se precisar, estamos aqui para dar força...

Daniela Lima disse...

Acho fundamental estas pesquisas para melhorar a qualidade do papel reciclado, barateando o custo e o tornando competitivo no mercado, acho que todos tem a ganhar com isso!

HPLC disse...

Seu blog é muito interessante, parabéns!